quem escreve

 
               

        Nascida em 95, moro em Salvador, na terra dos melhores cheiros e sabores, sou estudante em Letras Vernáculas na UFBA.  Brigo diariamente contra o medo, o medo de não ser o suficiente para escrever aqui, o medo do não-saber, o medo do julgamento e até de viver - sentir o vivido e que irei viver. Já fui muito vencida, mas agora busco vencer, e não mais só, tenho me alegrado com os pequenos passos dos últimos meses (isso está sendo escrito em 16/6/2017). 

       Comecei a escrever muito cedo num projeto escolar e, acredito, que a semente plantada foi regada pelos gibis e conto de fadas e hoje estou aqui, entrei na faculdade para ser escritora (? e professora de literatura) e esse nome que tanto me dava medo, pois me enquadrava em um patamar muito grande (olha só o peso dessa palavra: escritora.) hoje é uma das linhas da minha identidade, e adianta fugir? Se há um nome que conceitue isso por quê não utiliza-lo? Então adiciona a lista de coisas sobre mim: sou escritora e fiz um blog para isso. 

          Já me perdi muito, fora e dentro de mim, mas aos poucos caminho e descubro sobre quem realmente sou, do que gosto e do que não gosto, e as palavras são o meu maior meio de comunicar isso, falar sobre minha caminhada, como realmente me sinto e me desnudo, apesar deu ser bastante relaxada - e tratar isso de forma mais banal possível - a minha busca também é de abrir os meus olhos e ser mais ativa e entender a vida viva, e não a vida como molde numa massa de conformismo, eu escrevo como quem vive, e preciso por tudo para fora. Sou, também, a namorada do Bruno, meu animador de torcida, junto com a minha família e meus amigos (sendo que ele está incluindo aqui também?) formamos um time da hora. 

          E por último e o mais importante, através de todas essas letras, linhas e confissões há alguém que me faz caminhar e permanecer viva em meio a minha bagunça, que não é pouca, em caminhos tortos, o melhor escritor de todos escreveu a minha história, e agora me ensina a vivê-la. Talvez eu tenha aparentado ser uma pessoa legal até aqui, mas toda essa legalice (?) que há em mim foi dada por esse Homem, que me orienta, me mostra quem eu sou, e no que Ele quer que eu me torne, me mostra para que Ele me criou (opa, já comecei a usar a letra maiúscula), e como Ele me criou - o que é extremamente importante. Os meus registros são extremamente depende dEle, de tudo que Ele me proporciona e é sobre esse árduo caminho para os Seus braços eternos de amor. 


Com o coração vibrando de boas palavras recito os meus versos em honra do rei; seja a minha língua como a pena de um hábil escritor. (Salmo 45.1)
           

Sobre o OES

   Há muito tempo atrás - em outro blog - decidi criar uma sigla, na verdade nem eu lembro como foi isso, eu só sabia que precisava creditar a Deus sempre por minha escrita, talvez como uma forma de lembrete para mim mesma da forma:

"Eu não posso me esquecer que toda sensibilidade vem do Rei." 

   Vivo numa selva de pedras, em correrias infinitas - sem contar minhas distrações mentais, nesse eco achar algo bom é milagre, a escrita (a arte) é um milagre, e acredito assim que é o Espírito Santo que me ajuda a olhar para as coisas de um jeito diferente, ou me possibilitar a escrever sobre as coisas iguais... Ou sei lá o que, as palavras criam algo, o primeiro que disse o haja e houve  foi Ele - o Criador -,  sou apenas seguidora então preciso render graças à Ele. 

  Então é isso, obrigada se leu até aqui, sinta-se em casa. 

Obrigada Espírito Santo



Nenhum comentário

Obrigada por ler o texto sinta-se a vontade ao comentar.

Tecnologia do Blogger.